quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

UM QUARTZO DIFERENTE



                  Normalmente, quando um cristal contém muitas inclusões ele é pouco ou nada transparente. As próprias inclusões impedem a livre passagem da luz, deixando o cristal opaco ou, no máximo, translúcido.
          Meu amigo Harilton Vasconcellos trouxe, porém, do Afeganistão uns cristais de quartzo muito interessantes porque são, ao mesmo tempo, muito transparentes e muito cheios de inclusões.  O que acontece é que as inclusões são grandes e de contornos bem definidos, de modo que as porções sem inclusões são muito límpidas e permitem ver os defeitos do cristal de modo bem nítido. Além disso, os cristais são euédricos, isto é, têm todas as faces (são biterminados), o que os torna ainda mais atraentes.


            Eles não são grandes, medindo em torno de 3 cm.
            As inclusões podem ser filamentos alaranjados a amarelos, manchas escuras ou, o que é muito mais interessante, cavidades contendo líquido. 


        Essas cavidades, como as demais imperfeições, são vistas com muita nitidez e, ao se mover o cristal, percebe-se claramente quando o líquido se desloca.



    Observar esses cristais de quartzo numa lupa binocular, mesmo que seja com apenas dez aumentos, é uma atividade muito prazerosa, e nela se pode ficar muito tempo, sempre descobrindo novos e interessantes detalhes. 





3 comentários:

  1. O geólogo Jurgen Schnellrath informa que as inclusões amarelas são de petróleo e que as pretas são de asfaltito, um hidrocarboneto.

    ResponderExcluir