terça-feira, 18 de junho de 2013

GARIMPANDO EM REJEITOS DE GARIMPOS




            A atividade garimpeira é um trabalho essencialmente masculino e não sei de nenhum garimpo onde mulheres trabalhem ao lado de homens.

            Mas, se é normal que só os homens garimpem, é também normal que mulheres e crianças revolvam rejeitos deixados pela atividade dos homens, buscando material de qualidade inferior ou eventualmente alguma coisa de valor maior que eles possam ter deixado escapar. 

Isso não deixa, é verdade, de ser garimpagem também, mas não é o trabalho pioneiro, não é o desmonte primário do material mineralizado. É uma atividade secundária que só existe, quando existe, se houve homens que deram início ao garimpo e geralmente só enquanto eles nesse garimpo trabalham.

            Mas, há outro tipo de gente que revolve rejeitos de garimpos. São os colecionadores de minerais. Os garimpeiros tradicionalmente só aproveitam aquilo que eles estão buscando e minerais que se destacam pela beleza ou pela raridade são muitas vezes desprezados simplesmente porque não é aquilo que está sendo buscado.  Dizem inclusive que se um garimpo produzir ouro e diamantes os garimpeiros ficarão só com o diamante, porque ficar com os dois dá azar...

            Os garimpeiros de ametista da região do Médio Alto Uruguai, no norte do Rio Grande do Sul, chamam os minerais estranhos, ou mesmo minerais que eles conhecem, mas que se apresentam com uma aparência fora do comum, de “esquisitos”.

Minha coleção de minerais conta com vários “esquisitos” e várias peças bonitas que foram abandonadas por garimpeiros ou que deles recebi como presente. E não são bem mais numerosos simplesmente porque me falta espaço para guardá-los e porque no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina não existem garimpos em pegmatitos, rochas que fornecem minerais incríveis pela beleza, tamanho ou raridade.

A drusa abaixo, com cristais de calcita sobre ametista, provém de um garimpo de ametista do Rio Grande do Sul. (Clique nas fotos se desejar ampliá-las.) Mede 30x28x12 cm e pesa 11,9 kg. A ametista não tem boa cor, mas a peça é bonita pelo tamanho e pela associação com a calcita. Não estava no rejeito quando a vi, mas tampouco estava junto às peças que iam ser aproveitadas. Deixada de lado na boca de uma galeria (“broca”), me chamou a atenção e perguntei ao garimpeiro mais próximo o que iriam fazer com ela. Nada, disse ele. Quer levar?



Esta outra drusa, sim, estava solenemente largada no meio do rejeito. Ela mede 27x25x13 cm e pesa 8,1 kg.




O quartzo abaixo (10x8x6 cm) contém o que os garimpeiros da mesma região chamam de mosquitinhos. São inclusões de cristais de um outro mineral, a goethita, que podem ser pretos, como estes, ou dourados.  Para os garimpeiros, são impurezas e isso é motivo suficiente para descartar os cristais em que aparecem. São peças atraentes, curiosas, e que merecem figurar em coleções particulares e museus.

Os cristais de goethita às vezes formam tufos dispersos, como nesta amostra, mas outras vezes desenvolvem-se todos a partir de um mesmo plano cristalográfico, estando assim nivelados pela base.


Nesta outra drusa (7x6x4 cm), inclusões talvez também de goethita, não formam tufos, mas sim películas paralelas a uma das faces dos cristais. Esta bela peça também foi reprovada pelo controle de qualidade do garimpeiro...



Os cristais de moscovita que normalmente são vistos aqui no Rio Grande do Sul são pequenas palhetas de 1 cm ou menos de diâmetro, raramente 2-3 cm em veios pegmatoides. Mas, em um garimpo de gemas que visitei em Minas Gerais, o pátio junto à entrada da galeria estava forrado de moscovita medindo até 20 cm, se não mais. Todo esse volume era rejeito dos garimpeiros, que para nada lhes serve a moscovita. Nesse mesmo garimpo, coletei no rejeito, além de moscovita (foto abaixo, medindo 18 x 8 cm), cristais de até 15 cm de espodumênio (foto seguinte, 12x8x1 cm), outro mineral que não se encontra por aqui.




 Certa vez, junto com alunos e professores de Gemologia da UFRGS, visitamos um garimpo de ametista do Rio Grande do Sul que produzia também cristais de selenita, uma variedade incolor e muitas vezes bem límpida de gipsita. No galpão em que os garimpeiros costumam guardar ferramentas, alimentos e outras coisas relacionadas com seu trabalho, havia vários pedaços pequenos de selenita, com até uns 10 cm de comprimento. Eram peças de pouco valor comercial que o garimpeiro, generoso, permitiu que os estudantes levassem.

Cada um então pegou um cristal de selenita para si.  Eu não me interessei porque os cristais eram realmente de pouco valor. Mas, havia entre eles a peça abaixo, bem maior (17x10x5 cm), bem cristalizada e que ninguém ousou pegar, porque era claramente muito mais valiosa que os pequenos fragmentos que estavam à sua volta.  Estes, como eu disse, não me interessavam, mas aquela peça, sim. Perguntei então ao garimpeiro por quanto ele a venderia. Para minha surpresa, ele disse que eu podia levá-la. Era presente também.


Quando começaram a surgir os primeiros cristais de selenita naqueles garimpos do Médio Alto Uruguai, eram todos desprezados pelos garimpeiros, que os chamavam de “pedra-gelo”.  Mas, quando começaram a surgir cristais com dezenas de quilos, apareceram compradores e eles viram que aquilo tinha valor também. Hoje, toda a selenita é aproveitada.

Na região de Salto do Jacuí, também no Rio Grande do Sul, está concentrado o maior número de garimpos de ágata do estado (e do Brasil). E neles é comum ocorrer opala comum de cor branca, às vezes com manchas acinzentadas ou cinza-amarronzadas, como a que se vê na foto (15x7x6 cm).  Pois essa opala toda é rejeitada pelos garimpeiros e pode ser facilmente recolhida pelos interessados. 



Nos últimos anos, começou a aparecer, em um dos garimpos, uma opala também do tipo comum (sem jogo de cores), mas de cor azul-acinzentada. Como o responsável pelo garimpo era um geólogo, Klaudir Kellermann, ele soube valorizar a nova descoberta e passou a guardar toda a opala dessa cor encontrada. Quando visitamos seu garimpo pela última vez, Klaudir estava em busca de comprador para o mineral. Fosse ele um simples garimpeiro, a opala azul seria mais um mineral de valor museológico a acabar nos rejeitos do garimpo.

A peça abaixo, de 8x4x3 cm, recebemos dele. 



Eu disse, no início, que os garimpeiros costumam desprezar aquilo que não é o objetivo de seu trabalho. Mas, mesmo o mineral por eles procurado pode ser encontrado nos rejeitos em peças de boa qualidade. A drusa de ametista ao lado foi abandonada simplesmente por ser pequena (8x5x2 cm), mas a cor, o brilho e o tamanho dos seus cristais são muito bons. 


O Rio Grande do Sul é o maior produtor brasileiro de ágata e ametista. A ágata é produzida principalmente na região de Salto do Jacuí, no centro do Estado, enquanto a ametista provém sobretudo do Norte, de Ametista do Sul e mais sete municípios ao seu redor.  Curiosamente, a ágata não é abundante na região produtora de ametista, mas, quando aparece, geralmente é muito bonita, além de estar associada à ametista. Como o garimpeiro quer é ametista, se ela não é boa, vai para o rejeito, ainda que acompanhada de uma bela ágata, como na peça abaixo, de 12x10x5 cm.



Em Fontoura Xavier (RS), estive num garimpo de ágata que produzia vários outros minerais. Como de hábito, os garimpeiros só aproveitavam a ágata. Foi assim que de lá trouxe a interessante cornalina de 11x10x4 cm da foto abaixo. Também lá encontrei um geodo de opala cinza-azulado. A foto a seguir mostra um fragmento pequeno (6x6x1 cm) dele; a parte maior, de uns 12 cm pelo menos, coloquei no acervo do Museu de Geologia da CPRM.  Essa opala, sob luz ultravioleta, mostra notável fluorescência em verde-maçã.  








A drusa de citrino abaixo (cerca de 10x15 cm) não se destaca pela cor, muito menos pela pureza. Mas, ela é importante porque provém da única ocorrência de citrino natural que encontrei depois de visitar praticamente todos os garimpos de gemas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Encontrei-a em um garimpo abandonado de ametista (e citrino?) de Bonaiumer, Caxias do Sul (RS), e pertence também ao Museu de Geologia da CPRM.  




A pequena “escultura” de quartzo abaixo foi coletada num garimpo de ametista.



As “pinhas” de ametista são sempre valorizadas, mas esta, de 6x5x6 cm, com cor realmente ruinzinha, foi parar no rejeito. Resgatei-a num garimpo de Entre Rios (SC).



Por fim, quero mostrar um tipo de material que teria tudo para ser rejeitado, mas que tem recebido uma valorização meio surpreendente. É o que o comércio de gemas vem chamando de “flor de ametista”.  São peças de formato irregular, como uma crosta cristalina, sem brilho, com cor esbranquiçada a roxa, sempre clara. As dimensões são bem variáveis, geralmente com 30 cm ou menos, mas podem ser muito maiores. Talvez por seu aspecto muito exótico, atrai o público e tem sido aproveitada. Mas, o exemplar abaixo foi coletado em rejeito.



Os minerais de minha coleção coletados em garimpos são quase todos do Rio Grande do Sul ou de Santa Catarina. Mas, na primeira coleção que organizei e que hoje pertence ao Museu de Ciências Naturais da Ulbra (Universidade Luterana do Brasil) há peças de vários outros estados.

            Diante do que eu mostrei, é fácil de entender por que o colecionador que visita um garimpo encanta-se e vibra com o que pode coletar e trazer gratuitamente. Mas, se este colecionador é como eu, geólogo, fica muito dividido. Ele alegra-se como colecionador, mas, como profissional e cidadão consciente, lamenta que se esteja desprezando coisas tão bonitas, de valor mineralógico, de importância museológica e às vezes, também científica. Um cristal defeituoso, sem valor comercial para o garimpeiro, pode ser, justamente pelo defeito que exibe, uma raridade a ser preservada. Mais de uma vez eu disse isso a garimpeiros, mas o fiz sempre consciente de que seria esperar demais que eles ficassem estocando minerais sem valor comercial contando com a possibilidade de talvez um dia aparecer um pesquisador ou colecionador que talvez se interessasse por algumas delas e talvez se dispusesse a fazer uma compra.

            Felizmente, está surgindo entre os comerciantes de gemas do Rio Grande do Sul uma nova consciência, e peças antes rejeitadas estão sendo por eles adquiridas, pois aprenderam - ou estão aprendendo - que elas podem ter valor como peças de coleção. Acredito que, com isso, muitas peças valiosas estejam sendo salvas, preservadas em coleções particulares ou mesmo em museus públicos.

18 comentários:

  1. Maravilhosa análise, bom texto, muito esclarecedor! Gostei de ver a riqueza das fotos mostradas, muitas delas de grande beleza.
    Creio que muitos passaram a valorizá-las e cuidar melhor de amostras como essas, que antes pareciam não ter valor algum, pelo simples fato de, com o passar do tempo, ter mais consciência de seu
    real valor... Era preciso que um geólogo elucidasse detalhes e sobretudo informasse esse lado científico que muitos ainda desconheciam... Parabéns ao autor e seu admirável trabalho!

    ResponderExcluir
  2. O gemólogo Jurgen Schnellrath, do Rio de Janeiro, informa que a opala azul de Salto do Jacuí foi por ele examinada e classificada como cristobalita, dado seu grau de cristalinidade.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo texto. Coloquei no meu blog no http://www.facebook.com/DetectoristasDaRegiaoDosLagos
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns! aprendi muito aqui. O Sr. saberia me dizer onde acho garimpo de cristais de quartzo no estado da Bahia? será que consigo recolher rejeitos nestes garimpos? Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Carlos Alberto
      Antes de tudo, peço desculpas pela enorme demora em lhe responder. Não costumo acessar textos publicados há bastante tempo no meu blog.
      Trabalhei três anos na Bahia, mas não visito o interior daquele estado desde 1974. Pelo que eu sei, os garimpos de quartzo estão na Chapada Diamantina, região de Morro do Chapéu.
      Sugiro confirmar isso com o geólogo Paulo Brito (pbrito@sicm.ba.gov.br) Um abraço. .

      Excluir
  5. Ola AMIGO, PERCIO, estou com LEUCEMIA, preciso me tratar, tenho para venda COLEÇAO, de 80 kgs, de OPALAS FOGO, marteladas, de diversas cores e tamanhos, tenho diversas gemas de de 1800 gramas, 15 kgs vermelhas transparente, restante leitosas de diversas cores. se puder me ajudar a vender todo esse lote de pedras maravilhosas. 80.000,00 todo o lote. estou precisando muito vender para custear meu tratamento. essas pedras, 3 ANOS de serviço mina aqui na minha cidade de TUPANCIRETA-RS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Regis
      Lamento muito saber de sua doença.
      Vou procurar possiveis compradores de suas opalas. estou em em viagem, em Niterói (RJ) de onde irei a Maceió (AL), voltando dia 15. Mesmo assim, vou ver ser consigo fazer alguns contatos antes do retorno. Um abraço..

      Excluir
  6. Ola AMIGO, PERCIO, estou com LEUCEMIA, preciso me tratar, tenho para venda COLEÇAO, de 80 kgs, de OPALAS FOGO, marteladas, de diversas cores e tamanhos, tenho diversas gemas de de 1800 gramas, 15 kgs vermelhas transparente, restante leitosas de diversas cores. se puder me ajudar a vender todo esse lote de pedras maravilhosas. 80.000,00 todo o lote. estou precisando muito vender para custear meu tratamento. essas pedras, 3 ANOS de serviço mina aqui na minha cidade de TUPANCIRETA-RS.

    ResponderExcluir
  7. Ola AMIGO, PERCIO, estou com LEUCEMIA, preciso me tratar, tenho para venda COLEÇAO, de 80 kgs, de OPALAS FOGO, marteladas, de diversas cores e tamanhos, tenho diversas gemas de de 1800 gramas, 15 kgs vermelhas transparente, restante leitosas de diversas cores. se puder me ajudar a vender todo esse lote de pedras maravilhosas. 80.000,00 todo o lote. estou precisando muito vender para custear meu tratamento. essas pedras, 3 ANOS de serviço mina aqui na minha cidade de TUPANCIRETA-RS.

    ResponderExcluir
  8. Percio as fotos das pedras se encontra no meu face, meu telefone 55 8414 7902- TUPANCIRETÃ - RS- BRASIL.

    ResponderExcluir
  9. regiseduardogoergen@hotmail.com aguardo resposta. OK.

    ResponderExcluir
  10. regiseduardogoergen@hotmail.com aguardo resposta. OK.

    ResponderExcluir
  11. Percio as fotos das pedras se encontra no meu face, meu telefone 55 8414 7902- TUPANCIRETÃ - RS- BRASIL.

    ResponderExcluir
  12. Percio as fotos das pedras se encontra no meu face, meu telefone 55 8414 7902- TUPANCIRETÃ - RS- BRASIL.

    ResponderExcluir
  13. Amei seu post. Sou apaixonada por estas pedras e suas qualidades, lendo seu texto me imaginava com vc resgatando estas jóias que os outros rejeitavam, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tati. Sempre que puder, visite os garimpos de ametista da região do Alto
      Uruguai, noroeste do Rio Grande do Sul. É seguro e é uma experiência incrível.

      Excluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir