quarta-feira, 12 de julho de 2017

ALGUMAS JOIAS INUSITADAS


      O emprego de materiais pouco comuns em joias não é grande novidade. Sempre há designers 
exercitando a criatividade e a originalidade, pondo em suas criações materiais usualmente empregados apenas com outras finalidades.
Acho que foi lá pela década de 70 do século passado, quando o jacarandá era uma madeira muito usada, que surgiram joias feitas com ouro e jacarandá. Elas ainda hoje são produzidas e podem ser adquiridas, na internet, por exemplo no site www.mercadolivre.com.br.
No início do século atual, surgiu algo muito inusitado: empresas dos EUA e depois de outros países começaram a produzir diamantes sintéticos feitos com cinzas humanas.  Isso mesmo: após a cremação, a família entrega parte das cinzas (bastam 30 a 40 g para se ter um diamante de um quilate) e recebe um diamante de origem muito especial. A cor pode ser a natural ou outra, à escolha do cliente.  Em 2008, havia pelo menos uma meia dúzia de laboratórios produzindo diamantes humanos (em inglês "memorial diamonds").
Atualmente, as joias com materiais inusitados continuam surgindo. Eliana Colognese, designer gaúcha, tem criado peças (foto abaixo) usando botões, vegetais diversos, como algodoeiro, jacarandá e coco, prendedores de roupa e até cabo de enxada. (Saiba mais em http://jcrs.uol.com.br/ conteudo/2017/05/ge/noticias/565392-joias-alem-do-metal.html.)



                                                  
Um objeto de adorno pessoal que não é propriamente uma joia, mas que é igualmente feito com material pouco comum são os óculos de pedra. Mármore, lápis-lazúli e outras rochas estão sendo usados para fazer armações de óculos em que cada peça é única, jamais igual a outra.  A cor é natural e as estampas são vênulos da própria pedra.  
A Budri (www.budri.com), empresa que produz esses óculos, apresentou, em março deste ano, numa feira em Milão, óculos luxuosos feitos de mármore de várias cores e com as mais variadas texturas (foto abaixo). Esses mármores provêm de países variados, como Turquia, Índia e França e as peças com eles produzidas trazem o nome da pedreira de onde a matéria-prima foi extraída.


                                                                  
O processo de fabricação leva até 25 horas e resulta em armações resistentes e, ao contrário do que se poderia supor, leves.
É uma novidade recente, mas a fila de espera por um par desses óculos já começa a ganhar corpo na Europa.
Por fim, um último tipo de joia inusitado - e controverso -, que segue a linha dos diamantes humanos. A joalheria australiana Baby Bee Hummingbird está criando peças feitas com leite materno, dentes de leite, placenta, cabelos, cordão umbilical, fluidos corporais e até embriões humanos que sobraram da fertilização in vitro.  Ela já produziu pelo menos cinquenta joias com cinzas de embrião humano.
Essas peças são, dizem eles, uma arte sagrada e representam um meio de guardar uma memória.
O uso de embriões está sendo opção de pais que não querem doá-los nem enterrá-los, mas que não podem continuar pagando a taxa de sua manutenção que varia de US$ 300 (R$ 931,00) a US$ 1.200 (R$ 3.725,00) por ano.

Joias "biológicas" como a que se vê acima, podem ser pendentes, brincos e anéis e podem conter também a primeira mecha de cabelo cortado, o primeiro dente que caiu ou até fluidos  corporais.                                                          
A iniciativa é criticada por grupos pró-vida, que acreditam que a vida tem início já a partir da     fecundação. A ONG Liga Americana da Vida (ALL)     considera a prática demoníaca.                                                              

9 comentários:

  1. Interessante, Pércio! Grato pela remessa. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Mas peças que usam materiais como botões, vegetais diversos, como algodoeiro, jacarandá e coco, prendedores de roupa e até cabo de enxada desde quando são jóias, Pércio? Pergunto isso porque vc sempre classificou minhas peças como bijuteria, mesmo eu utilizando o cobre, o aço, a prata alemã e pedras polidas, alegando que jóias eram as feitas com metais nobres e pedras preciosas(puras)lapidadas. Na minha insignificante opinião de designer de jóias, peças com materiais nada nobres seriam apenas acessórios femininos ou biuterias, não menos belos ou inusitados e criativos. Por favor me corrija se estou equivocada, amigo. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seu comentário, Marise. Você tem razão em se sentir incomodada. Peças com material vegetal, se não tiverem um metal precioso eu considero bijuterias. Os exemplos que eu mostrei talvez não tenham esses metais.As fontes consultadas não esclarecem isso e chamam de joia. Na dúvida, usei a classificação deles. No caso específico do trabalho de Eliana Colognese, preferi usar o termo "peças", mas na reportagem que eu cito chamam de joias.
      Durante muito tempo tentei definir bem a diferença entre joia e bijuteria. Como dicionarista, isso era importante para mim. Acabei desistindo porque vi que o próprio setor joalheiro não faz isso e parece não me preocupar em estabelecer a real diferença.

      Excluir
    2. Obrigada por sua resposta, meu amigo. Isso também é importante para mim. Abraços

      Excluir
  3. obrigada querido professor Pérsio pelo carinho em citar meu nome e meu trabalho.
    Eu sempre lhe acompanhando por aqui, hoje tenho a honra de ser notícia no teu Blog. Gratidão

    A designer de Joias

    ResponderExcluir
  4. Olá amigo Pérsio, encaminhei seu post para duas amigas que produzem jóias e agradeceram. Aproveito para perguntar e observar:nas jóias biológicas não seria "pingentes" em vez de "pendentes"?
    Abraço

    ResponderExcluir