segunda-feira, 21 de março de 2016

CLASSIFICAÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS GEMOLÓGICAS

          As pedras preciosas compreendem um grande e diversificado grupo de minerais, com mais de cem tipos diferentes apenas no Brasil. Elas fazem parte de um grupo maior, o das gemas, onde são as mais importantes e a grande maioria (quase 90%).  O grupo das gemas, por sua vez, pertence a um grupo ainda maior, que inclui também os metais preciosos e as pedras ornamentais, e que são as substâncias gemológicas.  
           O amplo universo dessas substâncias gemológicas, resumido na tabela vista no final, é, portanto, muito variado, o que contribui para que denominações inadequadas sejam frequentemente usadas.
Sua diversidade está não apenas na origem e composição dessas substâncias, mas também no seu uso.
         Antes de mostrar esses muitos tipos, convém estabelecer o que é uma substância gemológica: é uma substância geralmente natural e inorgânica, utilizada para adorno pessoal ou com fins decorativos.  Poder-se-ia usar como sinônimo material gemológico, mas é preferível não fazê-lo porque alguns autores incluem sob essa denominação apenas os minerais usados para adorno pessoal.
            Quanto à origem, as substâncias gemológicas podem ser divididas em três grupos, já citados:

a)      Gemas (as mais numerosas e mais importantes).
b)      Metais nobres.
c)      Pedras ornamentais.

Gemas
Gema é uma substância gemológica geralmente natural e inorgânica que, por sua raridade, beleza e durabilidade, é usada como adorno pessoal. Minerais de grande beleza, mas que não suportam lapidação ou montagem para uso como adorno pessoal são minerais para coleção, minerais de valor museológico, mas não gemas.
Normalmente a gema é submetida a um processo chamado lapidação, a fim de obter a forma que mais ressalte sua beleza, bem como o máximo de brilho. Assim, uma gema pode ser bruta (no estado natural) ou lapidada. Alguns autores, porém, só consideram gema aquela que sofreu lapidação.
Como foi dito atrás, as gemas são as substâncias gemológicas mais importantes e mais numerosas. Dentre as naturais, 87% aproximadamente são minerais; cerca de 10% são gemas orgânicas e 3% são rochas.
Além das gemas naturais, isto é, aquelas encontradas na natureza e que são divididas em minerais e orgânicas, há mais sete tipos, as gemas artificiais, sintéticas, reconstituídas, tratadas, realçadas, revestidas e compostas.
A pérola cultivada é uma gema orgânica, mas constitui categoria à parte, pois não se enquadra nem na categoria natural nem sintética. Ela é produzida por um processo natural, mas que foi induzido por ação humana.
Gema sintética é aquela produzida em laboratório, mas que existe também na natureza.
Gema artificial é aquela produzida em laboratório, mas sem similar conhecido na natureza.
Gema reconstituída é aquela também produzida em laboratório, por meio da aglomeração ou fusão parcial de fragmentos muito pequenos de uma gema natural.
Gema tratada é o nome dado à gema em que a cor ou outra propriedade foi modificada para lhe dar mais valor. Com relação à cor, o tratamento pode ser para melhorar a cor natural, obter outra cor ou colorir gemas incolores.
Gema realçada é a que teve uma de suas propriedades (geralmente a cor) melhorada artificialmente.
Gema revestida é a denominação dada à gema lapidada sobre cuja superfície se fez depositar uma fina camada, colorida ou não, da mesma substância ou de outro material.  O processo é usado, por exemplo, para esmeraldas.
Chama-se de gema composta aquela formada por duas ou mais partes unidas por cimento ou qualquer outro método artificial. Os componentes podem ser substâncias inorgânicas naturais, sintéticas, ou produtos químicos artificiais. Assim pode-se ter gema sobre gema, gema sobre vidro, gema sobre gema com vidro intercalado, etc.

Metais nobres
Metais nobres é denominação quem se dá ao ouro, à prata e alguns dos metais do grupo da platina (platina, ródio e paládio). São usados como adorno pessoal, sozinhos ou com gemas.
O ouro usado em joias não é ouro puro, mas sim uma liga com 75% ou menos de ouro e 25% ou mais de outros metais (prata, cobre, ferro entre outros), dependendo da cor desejada. 
O ródio normalmente é usado apenas para revestir outro metal.

Pedras ornamentais
As pedras ornamentais são rochas - menos frequentemente minerais - usadas para decoração de interiores ou acabamentos arquitetônicos. Dividem-se em minerais decorativos e rochas ornamentais.
Os minerais decorativos são aqueles utilizados para decoração de interiores (como vasos, cinzeiros, mesas, pesos de papel, estatuetas e incontáveis outras aplicações). Alguns deles são usados também como gema, ou seja, para adorno pessoal. Ex.: sodalita, quartzo rosa, prata, malaquita, lápis-lazúli e ágata.
As rochas ornamentais são representadas principalmente pelos mármores e granitos. O que se chama de granito no comércio e na indústria desses materiais pode ser realmente granito, mas muitas vezes são outras rochas silicáticas, como granodiorito, riolito, tonalito, sienito, etc. Do mesmo modo, o termo mármore pode designar, nesses setores, também calcário, mármore dolomítico e dolomito, todas elas rochas carbonáticas.
Rochas ornamentais são usadas em acabamentos arquitetônicos, cortadas em lajotas, frisos e blocos, regulares ou não, para pisos, colunas, paredes, escadarias, monumentos, etc. como revestimento ou não.
Muitos geólogos talvez não aprovem a denominação pedra ornamental, mas, como ela inclui tanto minerais quanto rochas, é válido chamar assim.  Além disso, em Gemologia o uso da palavra pedra é muito comum.
Como se pode ver, nessa ampla classificação das substâncias gemológicas não aparece nenhuma vez a denominação pedra semipreciosa. A distinção pedra preciosa / semipreciosa é confusa, arbitrária e sem fundamento cientifico ou econômico. Como já está consagrada a denominação pedra preciosa, admite-se seu emprego para designar as gemas em geral, com exceção da pérola cultivada e das gemas orgânicas. Mas, pedra semipreciosa é denominação a abandonar, o que, aliás, já aconteceu na maioria dos países.

CLASSIFICAÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS GEMOLÓGICAS


SUBSTÂNCIA

USO
EXEMPLOS TÍPICOS
Gemas
Gemas Naturais
Minerais
Adorno


pessoal
Esmeralda, diamante, tumalinas, granadas, safira, ametista, rubi, etc.
Orgânicas
Coral, âmbar, pérola,
marfim, etc.

Pérolas Cultivadas
Pérolas Biwa, Mabe,
South Sea,  e Taiti,
Gemas Sintéticas
Esmeralda sintética, rubi sintético, diamante sintético, etc.
Gemas Artificiais
Zircônia cúbica, YAG, GGG, fabulita..
Gemas Reconstituídas
Turquesa reconstituída, lápis-lazúli reconstituído, âmbar reconstituído.
Gemas Tratadas
Topázio irradiado, citrino obtido por tratamento de ametista, etc.
Gemas Realçadas
Esmeralda tratada com óleos

Gemas Revestidas

Esmeralda revestida
Gemas Compostas
Gema + gema, gema + vidro, etc.

Metais nobres

Ouro
Ouro 18 K (Ouro 750 ), Ouro 14 K
Prata
Prata 950 (Prata 95), 
Prata 900 (Prata 90)
Grupo da platina
Platina, paládio e ródio.
Pedras ornamentais
Minerais
Decorativos
Decoração
de interiores
Ágata, sodalita, quartzo rosa, prata, malaquita, alabastro, etc.
Rochas ornamentais
Acabamentos arquitetônicos

Mármores, granitos, ardósias, quartzitos, etc.

 

11 comentários:

  1. Parabéns pelo espaço e gratidão pelas aulas! um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Muito interesante meu estimado Percio. Muito obrigado por suas lecciones. Un abrazo

    ResponderExcluir
  3. Olá. Ando interessada pelo mundo das pedras, melhor, substâncias gemológicas, e seu blog está sendo de grande valia. Ainda mais para quem não sabe nem por onde começar. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Que bom saber disso, Fabiola. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Que bom saber disso, Fabiola. Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. O grupo dos metais nobres inclui o ouro, a prata e os metais do grupo da platina. Como destes últimos, só se usam em joalheria o ródio, o paládio e a platina, não mencionei os demais.

    ResponderExcluir