terça-feira, 1 de janeiro de 2013

UM MINERAL-SÍMBOLO PARA O RIO GRANDE DO SUL

 
            O Rio Grande do Sul tem vários símbolos reconhecidos oficialmente. Sua flor-símbolo é o brinco-de-princesa (Fuchsia regia), cuja escolha esteve envolvida em certa polêmica. Seu animal-símbolo é o cavalo crioulo, tão presente na história e no cotidiano dos gaúchos. A planta-símbolo é a macela (Achyrocline satureioide), ave-símbolo é o quero-quero (Vanellus chilensis), que não é típico do Estado (existe em toda a América do Sul e até na América Central), mas pelo qual os gaúchos têm um carinho muito especial; a bebida é o chimarrão; instrumento musical é a gaita; árvore é a erva-mate (Ilex paraguaiensis) e prato típico é o churrasco, todos aprovados oficialmente por decreto (brinco-de-princesa) ou leis.
            Se escolheu esses vários símbolos oficiais, pode muito bem o Estado escolher também seu mineral-símbolo. Isso não seria nenhuma novidade; o lápis-lazúli, por exemplo, é a pedra-símbolo do Chile e a rodocrosita, da Argentina.
Mas, qual seria o mineral-símbolo do Rio Grande do Sul? Para mim, sem dúvida, a escolha deve contemplar um mineral abundante no Estado, a ponto de poder ser considerado característico dele, e que se destaque pela beleza ou valor econômico. Assim sendo, não vejo outros candidatos que não sejam a ágata e a ametista.
 
 
O Rio Grande do Sul tem as maiores reservas de carvão mineral do Brasil e, com Santa Catarina, é responsável pela quase totalidade da produção brasileira. Mas, apesar do nome, carvão não é mineral e não pode se candidatar a esse título.
Temos então apenas as duas pedras preciosas concorrendo. Só que escolher uma das duas não é nada fácil...
            Em termos de valor econômico, são gemas que não se situam entre as mais caras do mercado, mas a ametista é claramente superior em preço à ágata. Ponto, portanto, para a ametista.
            Em termos de abundância no Estado, podemos encontrar tanto uma quanto a outra na metade norte do Rio Grande do Sul, mais precisamente nas rochas vulcânicas de idade mesozoica, sobretudo nos basaltos. Mas, nessa metade do Estado a ágata é bem mais abundante e mais amplamente distribuída que a ametista, podendo, portanto, ser considerada mais representativa do Estado. Ponto para a ágata.
            Em termos de produção, tanto a ágata quanto a ametista são produzidas em grande quantidade pelo Rio Grande do Sul e mais de 90% dessa produção vão para outros países. O Estado é o maior produtor brasileiro das duas pedras preciosas, que o colocam, junto com o citrino obtido por tratamento térmico da ametista, em segundo lugar entre os maiores produtores brasileiros de gemas, atrás apenas de Minas Gerais. Ponto para as duas, portanto.
            Até aqui, os critérios se aplicam com relativa facilidade. Só que determinam um empate. E quando se começa a falar de beleza, a escolha fica muitíssimo mais complicada. Ágata e ametista são tão diferentes que, simplesmente não dá para confrontá-las. Podemos avaliar a beleza de uma e a beleza de outra, mas sem fazer comparações.
            A ametista tem uma cor violeta que não é das mais comuns no mundo das gemas e pode ser perfeitamente límpida e transparente depois de lapidada. A ágata nunca será transparente (no máximo translúcida), mas as múltiplas cores numa mesma peça e o modo infinitamente variado como elas se distribuem e se combinam tornam cada ágata única, sendo impossível encontrar outra igual a ela. E nesse aspecto as ágatas gaúchas têm fama mundial, não sendo raro encontrarem-se fotografias delas em livros de Gemologia. Em termos de beleza, portanto, elas empatam e o placar fica em 3x3.

 
            Podemos falar também do uso. Com belezas bem diferentes, ágata e ametista são também empregadas de modo bastante diverso. A ágata presta-se maravilhosamente bem para objetos decorativos, aqueles que se usa sobre a mesa, como porta-retratos, cinzeiros, cabos de talheres, pesos de papel, porta-copos ou então como chaveiros, maçanetas, móbiles, etc., numa relação de usos cujos limites são os limites da criatividade de cada pessoa. Pode, é claro, ser usada também em objetos de adorno pessoal, como alianças e pingentes, mas não é esse o uso mais comum.  Já a ametista é mineral usado tipicamente para adorno pessoal, em joias de todos os tipos (anéis, brincos, colares, pulseiras, pingentes, abotoaduras, etc.), não em objetos decorativos, exceto quando o objeto é a própria ametista, nos belos agregados cristalinos chamados geodos (“capelas”) que são produzidos (e exportados) em larga escala no Rio Grande do Sul.
            Alguns poderão considerar o uso em joias mais importante, já que elas são em média mais valiosas que os objetos decorativos citados. Mas, haverão de convir que os objetos decorativos são maiores, têm mais visibilidade e dão muito mais liberdade de criação ao designer. Persiste, portanto, em minha opinião, o empate.
            Por fim, há outro aspecto que não pode ser esquecido e que nada tem a ver com Gemologia, Joalheria ou Decoração de Interiores. Caso sejam superadas as dificuldades apontadas acima e se chegue a um consenso, a escolha do mineral-símbolo deverá ser formalizada em documento legal, como foram as escolhas dos demais símbolos mencionados no início. E aí vem o aspecto político da questão.  A Política, queiram ou não, está presente sempre na nossa vida e não pode ser ignorada também neste caso.  Por quê?
Acontece que a produção de ametista no Rio Grande do Sul vem principalmente do município de Ametista do Sul, na região norte do Estado, secundariamente de outros sete municípios situados na mesma região (Iraí, Frederico Westphalen, Planalto, Trindade do Sul, Gramado dos Loureiros, Rodeio Bonito e Cristal do Sul). Já a produção de ágata provém mais da região central do Estado e não está tão concentrada como a de ametista. Desse modo, qualquer que seja a escolha, uma parcela da população do Estado ficará insatisfeita, e esta parcela provavelmente será maior se o mineral-símbolo escolhido for a ametista.  Esta é, então, outra variável a ser considerada nessa difícil escolha.
E se fosse escolhida ágata com ametista como mineral-símbolo do Rio Grande do Sul? A proposta não seria nenhum absurdo, pois pode-se encontrar na natureza geodos contendo as duas gemas. Só que isso não acontece no Rio Grande do Sul com uma frequência que justifique adotar essa associação como pedra símbolo dos gaúchos.
            Por outro lado, como as duas gemas são variedades de quartzo, não se poderia então adotar o quartzo como pedra-símbolo? Decididamente, não, porque existem muitas outras variedades desse mineral, mesmo considerando apenas aquelas usadas como pedra preciosa (ex.: quartzo enfumaçado, quartzo rosa, quartzo rutilado, jaspe, cornalina, cristal de rocha, ônix, etc.).
            Uma saída salomônica seria escolher não um, mas dois minerais-símbolos do Estado, ágata e ametista, o que é diferente de ágata com ametista.
            Deixo aqui aberto o debate. Eu tenho minha preferência, que é fruto de longas e demoradas ponderações, como este texto permite imaginar. Se for chamado a opinar, eu falarei. Mas, há muita gente em condições de opinar também. Com eles, a palavra.


16 comentários:

  1. Secondo il mio parere, l'ametista, più che l'agata, potrebbe essere assunta a minerale simbolo.

    Massimo Russo

    ResponderExcluir
  2. Grazie, Massimo. Sua opinião é importante para mim.

    ResponderExcluir
  3. Adorei a ideia do mineral-símbolo! Amo e voto na ametista!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Diante de tantas informações, o viável seria ambas, mas sou inclinado a votar na ágata, tamanha sua beleza, o que representaria com certeza o povo gaúcho.

    ResponderExcluir
  5. Acho que vai se unânime: ametista!

    ResponderExcluir
  6. Sempre achei que o carvão fosse mineral, mesmo sendo um vegetal na sua origem, achei que a partir dos processos químicos e físicos passasse a ser mineral.

    ResponderExcluir
  7. Gente, por enquanto o placar é de 9 x 3 a favor da ametista. Manifestem-se !!!

    ResponderExcluir
  8. Ferrys, o carvão pode ser equiparado a uma rocha, até porque ocorre na forma de camadas entre camadas de rocha. Mas, por sua heterogeneidade e sobretudo pela ausência de estrutura cristalina, não pode ser considerado mineral.

    ResponderExcluir
  9. O placar está 13 x 6 a favor da ametista, com manifestações principalmente de geólogos.

    ResponderExcluir
  10. A ametista, que está vencendo por 18 x 6, leva uma outra vantagem sobre a ágata. Os principais locais de produção no RS são destinos turísticos muito mais interessantes que os principais locais de extração de ágata.

    ResponderExcluir
  11. sou apaixonada e uso muito as drusas de ametista nas minhas joias, assim como apenas a ametista. mas, o que seria da ametista se não fosse a ágata para suportá-la e juntas, formarem a drusa???? páreo duro esse... acho que deveria dar empate!

    ResponderExcluir
  12. Querido professor Pércio, não posso deixar de me posicionar a favor da minha querida Àgata. Meus argumentos são:
    O mineral àgata é encontrado em abundância brotando do solo gaúcho de uma forma que nos permite comparar a um constante nascimento, pois além das minas de exploração, podemos perceber sua sempre presença no leito dos rios e até de forma ilegal sendo comercializada em floriculturas como material usado em paisagismo, tamanha a sua abundância. A àgata vai da Joia ao Ornamental com muita versatilidade, pois uma de suas grande armas é aceitar múltiplas cores através de processos termo-químicos, o que diga-se de passagem, poucos minerais assim o permitem.
    Meu voto é merecidamente para a Àgata.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito dos seus argumentos a favor da ágata. Ela é também a minha opção para mineral-símbolo do RS. Mas, pelo menos entre os geólogos, que foi o grupo que mais se manifestou, a ametista está ganhando com folga...

    ResponderExcluir
  14. Surpresa ! Consultando uma agenda antiga, descobri que em 26 de novembro de 1998 enviei carta ao governador do Estado, Antonio Britto, sugerindo a escolha do mineral-símbolo do Rio Grande do Sul. Ele, é claro, não me respondeu, porque se existe coisa que os políticos brasileiros nunca fazem é responder correspondência recebida de eleitores, apesar da polpuda verba de que dispõem para isso.

    ResponderExcluir
  15. O Estado de Ohio (EUA) tem não apenas o seu mineral-símbolo (sílex) como também seu fóssil-símbolo (trilobita). E mais: eles escolheram o inseto-símbolo do Estado, a joaninha.
    Para fóssil-símbolo do Rio Grande do Sul, com a palavra os paleontólogos.Mas desde já eu voto no Araucaryoxilon, as abundantes árvores fossilizadas (petrificadas) do Estado.

    ResponderExcluir
  16. O placar hoje é 19 x 8 a favor da ametista.

    ResponderExcluir