segunda-feira, 9 de abril de 2012

O QUE TRAZER DO HAVAÍ

            Quem quer que vá ao Havaí, certamente há de querer trazer de lá alguma lembrança da viagem.  Se for músico, provavelmente pensará em comprar e trazer um ukelelê, afinal ele é o instrumento musical mais típico daquelas ilhas. Se for essa sua opção, porém, pense duas vezes. O ukelelê é, de fato, um instrumento musical tipicamente havaiano, mas deriva do nosso brasileiríssimo cavaquinho. Não é por acaso, pois, que se assemelham tanto.
            Mas, há duas coisas que eu recomendaria sem medo de errar como sugestão de souvenir. Uma é a música de Israel Kamakawiwo’ole.  Este compositor e cantor, já falecido, é o músico mais importante do Havaí nas últimas décadas e é adorado pelo povo de lá. Sua música é ouvida por toda parte, desde quando se desce no aeroporto. Eu trouxe um CD e um DVD dele, que não me canso de ouvir.
No DVD, há várias músicas que foram gravadas numa aldeia de pescadores e uma delas, Hawai’i, Aloha, é particularmente emocionante. Quando ele começa a cantá-la, todo o pequeno público que o ouvia se levanta e, de mãos dadas, forma um circulo e cantam juntos. São homens, mulheres, criança, jovens e idosos, todos numa comunhão muito autêntica com o cantor.
            Aloha é a palavra que no Havaí se usa tanto como saudação quanto para despedida. Essa música (não confundir com o rock de mesmo nome) é cantada no idioma nativo da ilha, mas não é preciso entender nenhuma palavra da letra para perceber logo nos primeiros versos, a profunda tristeza que ela traduz. Não é por acaso, portanto, que o próprio Israel chora ao interpretá-la.
 A outra sugestão de souvenir que eu recomendo é acima de tudo original. 
Todos sabem que a pérola se forma dentro da concha de um molusco. O animal reage à presença de um corpo estranho e, como defesa, forma em torno dele a pérola.  Mas, pouquíssima gente no mundo teve a oportunidade de ver uma pérola dentro do molusco em que ela se formou (foto acima). Pois em Honolulu, a capital do Havaí, pode-se comprar uma pérola assim, ainda dentro do molusco.  No International Market Place, entre muitas outras coisas interessantes para adquirir, nada é mais original para mim do que isso.

O molusco e sua pérola são vendidos numa embalagem lacrada, como se fosse uma lata de conserva. O animal vem inteiro, com suas partes moles inclusive, dentro de um líquido (salmoura, provavelmente). A embalagem é transparente e permite que se veja a concha sem abri-la (fotos abaixo).








          
 Apesar de original, você poderá dizer: Sim, eu vejo a concha, sei que há uma pérola dentro, mas como faço para vê-la ?
Boa pergunta. Não há como ver sem abrir a embalagem.  Só que, abrindo, não há mais como fechá-la hermeticamente como antes. E sem o líquido conservante, o animal deverá começar a cheirar mal. A solução então é abrir, remover as partes moles do molusco, lavar a concha e a pérola e guardar só elas duas. São elas, afinal, o que mais interessa. Você poderá mostrar a pérola e a concha em que ela se formou.
Se você for gemólogo, provavelmente ficará muito satisfeito com isso. Mas, se não for, talvez queira usar a pérola como joia, não apenas tê-la ao lado ou dentro da concha.  
Tudo bem. Neste caso, pagando um pouco mais, poderá comprar, além do molusco com a pérola, um receptáculo de prata, semelhante a uma gaiolinha, de 2 cm de comprimento, onde se coloca a pérola quando se quer usá-la como adorno. É muito fácil abrir essa peça, colocar a gema dentro e fechá-la (centro da foto acima).  A corrente que se usará para prendê-la ao pescoço impedirá que ela se abra espontaneamente. E, no momento em que se quiser, pode-se repor a pérola na sua concha.

4 comentários:

  1. Muito bom Pércio, agora que estamos fazendo jóias, adorei a idéia...

    ResponderExcluir
  2. Rosa, baseado no que vocês fazem em vidro, só imagino que beleza de joias não farão ! Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Vc tem os preços destas lembrancinhas?

    ResponderExcluir